Meu Primeiro Violão – Como consegui um violão.

Todo violão tem uma história! Tem aqueles que são herança do avô, do pai, da mãe, do tio… Daquele tio brincalhão e festeiro que só toca nos natais em família, sabe? Tem também os casos dos violões que são da casa, que já passaram a ser usados mais para decoração do que para fazer música e que ninguém sabe bem a origem, mas sempre estão pela casa… rsrs.. Quer saber como consegui o meu primeiro violão!? Continue lendo… 😉

Meu primeiro violão

Meu primeiro violão

Hoje eu vou te contar a História do meu Primeiro Violão.

Mas eu também quero saber a história do seu primeiro violão. Envie a sua história para o email contato@amorporviolao.com.br, com fotos em boa resolução e ela poderá ser postada aqui no blog. 😉

Seja o primeiro a receber as novidades do blog!

Seu email está seguro conosco!

Mas, chega de conversa fiada e vamos lá. O meu primeiro violão é o único violão que tenho até hoje! Não foi com ele que eu aprendi a tocar, mas foi ele que me garantiu a prática! 🙂

Meu primeiro violão - Foto 1

Meu primeiro violão – Foto 1

Como pode ver ele não é um violão comum, nem tem uma marca muito famosa que só de bater os olhos já é reconhecida. Mas, antes de explicar como ele chegou até mim vou contextualizar o momento até que eu o quisesse, combinado?

Bom, a minha família é bem musical e eu também sempre gostei de música. Meu pai sempre tocou acordeon e montava os “mini bailes” em casa com os amigos nas horas vagas. Eu lembro que ele e os amigos tocavam acordeon, zabumba, triângulo e pandeiro. Isso é bem marcante na minha infância.

Família Musical

Família Musical

Quando eu era pré-adolescente, minha irmã mais velha aprendeu a tocar violão e ganhou o violão da família (Sim, nós tínhamos um violão encostado, que era da família, mas ninguém tocava..rs).

Nessa época eu só ouvia rock, e senti o súbito desejo de aprender a tocar guitarra. Descobri que guitarra era bem parecida com violão, e comecei a praticar nesse violão da minha irmã mais velha. Foi ela quem me ensinou os primeiros acordes.

Mas logo ela se casou e levou o violão. E eu? Comprei uma guitarra…rs…Claro que não foi tão simples, foram alguns meses de economia, mas, hoje vou contar a história do violão, a história da guitarra eu conto em outro momento. Mas só para concluir, era uma Michael vermelha, que tenho até hoje! 🙂

Minha primeira guitarra

Minha primeira guitarra

Comecei a fazer um curso de guitarra (comecei e terminei, fiz completo \o/) com essa guitarra. O grande “problema” da guitarra, neste momento, para mim era a preguiça de ligar a caixa amplificadora toda vez que ia tocá-la. Mas, ainda assim, a toquei bastante. Até que pensei “Poxa se eu tivesse um violão…”, afinal, como eu disse, até certo ponto os dois são bem parecidos.

Comentei com o meu pai que queria um violão, e um belo dia, enquanto ele passava por um bairro distante da cidade, ele viu o meu violão sendo jogado fora por alguém. Ele o retirou do lixo e o levou para ser salvo por luthier amigo da família. \o/

Ele fez um MILAGRE! O reformou totalmente, pintou e hoje o violão que estava indo para o lixo, me enche de alegria. 😀

Meu primeiro violão - Foto 2

Meu primeiro violão – Foto 2

As cordas são bem baixas para facilitar a digitação dos acordes. Escolhi cordas de aço, pois prefiro, mas hoje acredito que o ideal seria de nylon, pelo modelo dele. Talvez eu troque depois que comprar outro (não faça isso sem a instrução de um Luthier, os violões de nylon devem ser sempre de nylon e os de aço, sempre de aço, falei sobre isso no post sobre comprar o violão)

A marca? Ao Rei dos Violões LTDA, modelo Tonante 104. Trata-se de uma marca bem antiga, o início de sua produção foi em 1954 por dois irmãos portugueses, que vieram para o Brasil e trouxeram a marca pra cá.

Meu primeiro violão - Foto 3

Meu primeiro violão – Foto 3

 

Pelo que pesquisei, os violões dessa marca eram bastante utilizados na época do movimento Jovem Guarda. Nessa época a guitarra elétrica era alvo de desejo dos jovens, e essa marca oferecia produtos por um preço acessível. Ideal para os jovens brasileiros que sonhavam com uma banda de rock, influenciados pelos Beatles e demais bandas internacionais.

História da Música

História da Música

Todos que tocam o meu violão o acham incrível. Ele tem um som bem limpo e alto. Talvez pelo fato de ter passado pelas mãos de um luthier.

O braço dele é bem largo, mas isso é típico da marca. O braço dos violões “Ao Rei dos Violões” não possuem tensores e precisam ser largos para sustentarem a tensão das cordas. (Se ficou com dúvida quanto aos termos conheça aqui as partes do violão).

Meu primeiro violão - Foto 5.

Meu primeiro violão – Foto 5.

Bom, se o meu violão participou do movimento Jovem Guarda, eu não sei dizer..rs. Infelizmente parte da sua história ficou perdida. Mas já construímos muitas histórias juntos. Depois que ele ficou pronto não fiz mais aulas com a guitarra, só com ele, pela praticidade de tocá-lo sem a necessidade de ligar uma caixa amplificadora.

Ele já foi comigo a alguns churrascos de amigos e eventos de música. Enfim, meu violão, meu melhor amigo! Só estou pesquisando um novo, porque quero um elétrico. Não tenho vontade de transformar esse que já tenho em elétrico, porque ele já tem história demais…rsrs

Meu primeiro violão - Conclusão

Meu primeiro violão – Conclusão

Todo violão tem uma história…

Essa é a história do meu primeiro violão. Qual a história do seu? Envie para o email contato@amorporviolao.com.br, ou conte nos comentários. Mesmo que você ache que a sua não é tão emocionante ou diferente, eu te digo que é. Pois possui a emoção que sentiu ao tocá-lo pela primeira vez e as histórias que viveu com ele… Vou amar ouvir a sua história e a do seu violão.

Espero que tenham gostado. Aguardo a sua história também.

Beijinhos, até mais!